Pesquisar no Blog ou Web

Carregando...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Mostrar ou amostrar?

















Os brasileiros sempre querem saber o que é certo e errado; às vezes é tudo uma questão de regionalismo

O brasileiro tem a mania de querer saber qual é o "certo" e qual é o "errado", como se tudo se resumisse a esse tipo de dúvida.


Temos uma certa dificuldade de entender ou de aceitar formas alternativas. A realidade nos ensina que há variantes lingüísticas válidas. Em razão disso, o ensino de uma língua deve mudar do simples "certo ou errado" para o "adequado ou inadequado" num determinado nível de linguagem, para o mais recomendável ou não, para a forma preferencial em certas situações...

O que existe, muitas vezes, é a linguagem da maioria, mas isso não significa que um regionalismo seja "errado".

A dúvida de hoje é muito interessante. O verbo mostrar é a forma usada pela maioria. A variante amostrar é menos usada, mas isso não quer dizer que esteja "errada". O fato de ser um regionalismo ou de marcar uma fala "menos culta" não caracteriza um "erro gramatical".

É interessante observar que o substantivo derivado mais usado é amostragem. Praticamente ninguém fala "mostragem". Forma, inclusive, sem registro na maioria de nossos dicionários.

Já no caso de mostra e amostra, os dois substantivos convivem harmoniosamente: "mostra fotográfica" e "amostra grátis". Isso significa que as duas palavras "existem". A diferença entre elas não está no significado, mas nas situações de uso. Torna-se, portanto, uma questão de adequação.

Caso semelhante acontece com os verbos baixar e abaixar. Não discuta, portanto, se os juros baixaram ou abaixaram. Importante é que os juros diminuíram.

Assim sendo, é perda de tempo ficar discutindo se a pronúncia correta do particípio irregular do verbo pegar (=pego) é /pégo/ ou /pêgo/. Se poça d'água é /póça/ ou /pôça/. Se a casa é "da Maria" ou "de Maria". Se a fruta é cáqui ou caqui. Se o certo é falar quiuí (kiwi) ou quívi. Se a pronúncia correta de Roraima é /Rorãima/ ou /Roráima/. Se o plural de sogro é /sôgros/ ou /sógros/.

No Rio de janeiro, falamos /pégo/ e /pôça/ d'água. Em São Paulo, a pronúncia preferencial é /pêgo/ e /póça/ d'água. No Rio de Janeiro e na maioria dos estados brasileiros, a casa é "da Maria"; em Niterói e em algumas regiões brasileiras, a casa é "de Maria". Em quase todo o Brasil, falamos cáqui e quiuí. No sul, falam caqui e quívi. A maioria dos brasileiros fala /Rorãima/, mas lá eles preferem /Roráima/. No Brasil, dizemos /sôgros/; mas, em Portugal, eles pronunciam /sógros/.

Isso tudo comprova que não há o certo ou o errado, e sim formas preferenciais ou a língua da maioria.

Todas as variantes lingüísticas devem ser aceitas como válidas, embora possam ser inadequadas em determinadas situações. Importante é que todos os regionalismos sejam respeitados.

O leitor quer saber

Entreguei-o ou Entreguei-lhe?

Depende. As duas são possíveis.

Os pronomes oblíquos átonos O(S) e A(S) substituem objetos diretos: "Encontrei o aluno" = "Encontrei-o"; "Comprei os livros" = "Comprei-os".

O pronome oblíquo LHE(S) substitui objetos indiretos: "Obedeço ao pai" = "Obedeço-lhe"; "Disse aos amigos" = "Disse-lhes".

O verbo entregar é transitivo direto e indireto: quem entrega sempre entrega alguma coisa (objeto direto) a alguém (objeto indireto). Em "Eu entreguei o livro ao professor", "o livro" é o objeto direto e "ao professor" é o objeto indireto. Se substituirmos "o livro", fica "entreguei-o"; se substituirmos "ao professor", fica "entreguei-lhe".

No português do Brasil, é preferível colocarmos o pronome átono antes do verbo (= próclise): "Eu o entreguei" e "Eu lhe entreguei".

Dicas para concurso

Uso dos pronomes pessoais

1. Para mim ou para eu?

Depois de preposição devemos usar mim e ti, exceto se o pronome for sujeito. Nesse caso, devemos usar os pronomes pessoais retos eu e tu.

Ela depende de mim.

Confio em ti.

Não há segredos entre mim e ti.

Não há segredos entre você e mim.

Não há segredos entre Maria e ti.

Ela trouxe o jornal para mim.

Ela trouxe o jornal para eu ler.

Ele fez isso por mim.

Ele fez isso por eu estar cansado.

Irás até mim.

Irás até eu interromper.

É um texto difícil para mim.

É um texto difícil para eu ler.

Para mim, viver nesta cidade é um tormento.

Para eu viver nesta cidade, foi preciso que os amigos ajudassem.

Teste da semana

Que opção completa corretamente as lacunas da frase "Eu __________ e ___________ muito"?

(a) respeito ele / admiro ele;

(b) lhe respeito / admiro-o;

(c) o respeito / lhe admiro;

(d) lhe respeito / admiro ele;

(e) o respeito / admiro.

Resposta do teste: letra (e). Os verbos respeitar e admirar são transitivos diretos. Isso significa que devemos usar o pronome pessoal oblíquo "o": "Eu o respeito" e "Eu o admiro". O pronome "lhe" substitui objetos indiretos e o pronome pessoal reto "ele" substitui o sujeito da oração. Como o objeto direto das orações é o mesmo, não é preciso repeti-lo. Podemos deixá-lo oculto: "Eu o respeito e admiro".

Sérgio Nogueira

http://jornal.valeparaibano.com.br/2006/11/23/viv01/lingua.html

2 comentários:

  1. Amostrar é horrível e não deveria ser usado JAMAIS. Tem que ser muito imbecil pra usar essa forma do verbo.

    ResponderExcluir
  2. Quem usa "amostrar" realmente teve uma baixa formação. Como eu poderia usar "abaixa" no lugar de baixa formação ? Sem sentido.

    ResponderExcluir